Plan de La Ville de Rio de Janeiro, 1913

NOSSO PRIMEIRO ESPORTE

Que futebol, que nada! O primeiro esporte moderno praticado no Brasil foi o turfe, no Rio de Janeiro. As corridas de cavalos datam de 1810, organizadas na Praia de Botafogo por comerciantes ingleses; nosso primeiro jogo de bola foi realizado 85 anos depois, em 1895, em São Paulo. Esclarecida a questão, continuemos nossa história.

Na planta acima, de 1913, temos a indicação do Derby Club, na Tijuca, no terreno onde posteriormente foram construídos o Estádio do Maracanã, o Maracanãzinho e o campus da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ. O clube funcionou durante 47 anos nesse lugar.

O Derby Club foi criado em 1850, quando a cidade vivia a febre do turfe e tinha quatro hipódromos grandes, além de inúmeros outros pequenos, às vezes simples terrenos baldios nos subúrbios. Quando as corridas saíram de moda, o Derby foi absorvido pelo Jóquei Club Brasileiro (Hipódromo da Gávea) e a sua enorme propriedade ficou abandonada. Na década de 1940, a área se transformou na Favela do Esqueleto (4 mil barracos e 12 mil pessoas), a partir da obra abandonada do Hospital das Clínicas da Universidade do Brasil. Em 1949, teve início a construção do estádio e do campus da UERJ. Os favelados foram removidos para a Vila Kennedy.

Ascensão e queda do turfe

Mais que um esporte, o turfe era um evento social restrito à aristocracia, com ampla cobertura da imprensa. Vem dessa época o costume ainda atual das mulheres chamarem a atenção, nos grandes prêmios, ao trajarem figurinos - principalmente chapéus - que ultrapassam os limites do ridículo.

Os hipódromos 'nobres' eram o Derby Club (Maracanã) e o Jockey Club (Engenho Novo), depois vinham os populares, como o Prado Fluminense e o Prado Guarani, este em São Cristóvão. Nas pistas modestas corriam cavalos desconhecidos ou "aposentados". Invariavelmente, os jóqueis eram negros magros e habilidosos. Os prados populares, organizados por pequenos comerciantes e militares de baixa patente, rivalizavam com os grandes clubes devido aos preços mais baixos de entradas e apostas, além de terem ambiente informal e corridas mais animadas. 

Derby  Club  lotado  (publicado na Revista Illustrada, 1911 - cortesia de sr. Lavra )

Tentando conter a concorrência, os grandes clubes proibiram os "seus" cavalos de correr nos prados populares, e o freqüentador visto nos clubes pequenos era impedido de entrar nas agremiações nobres. Muitos clubes faliram em função destas restrições e o povo começou a perder o interesse pelo esporte, acarretando o fechamento definitivo dos prados e a fusão dos grandes - Derby Club e Jóquei da Gávea.

Esportes da moda em 1800

Nosso 2º esporte em importância no século XIX, o remo só foi plenamente aceito quando os padrões de estética evoluíram e permitiram a diversão em torno de homens 'praticamente nus' (para a época). A regata e o turfe resumiam o que era considerado "sport" no século 19, conforme as definições européias, que seguíamos rigorosamente.

Mas havia outras práticas que, hoje consideradas esportivas, naquela época estavam indefinidas. Eram as corridas de velocípedes (antepassados da bicicleta), que iniciavam o ciclismo; as corridas atléticas (ou "a pé"), que deram origem ao atletismo; a natação, que ainda era uma aventura; e o futebol, um grande desconhecido na cidade, embora algumas escolas já começassem a praticá-lo. 

Legenda do mapa

"Edité pur et par L'étoile du Sud. Etabi d'accord avec le plan original de la Ville de Rio de janeiro en 1913, sous l'administration de Mr. le Préfet du District Fédéral, Général Bento Ribeiro Carneiro Monteiro"

O texto acima foi baseado em várias fontes, principalmente no estudo do Doutor em Educação Física Professor Victor Andrade de Melo. Leia a íntegra do seu trabalho em http://www.efdeportes.com/efd9/turf91p.htm

Celso Serqueira e-mail do autor

   > fechar <

www.serqueira.com.br

© Copyleft 2005 CMS